Logispesa

Notícia » 20/06/2022

Por que conjuntos de eixos dotados de suspensão pneumática podem e devem ser considerados eixos em tandem?

Por definição “eixos em tandem” são dois ou mais eixos que constituem um conjunto integral de suspensão, dotados de sistema de equalização de peso entre eles, podendo qualquer um deles ser ou não motriz. (Artigo 9º da Resolução 882/21 do CONTRAN) transcrito abaixo:

Art. 9º Considera-se eixos em tandem 2 ou mais eixos que constituam um conjunto integral de suspensão, com distribuição de peso entre eles, podendo qualquer deles ser ou não motriz.

Que tipos de suspensão são classificadas como “em tandem”?

– Suspensão do tipo balança, balancim ou balanceiro: típica de rebocados e caminhões 6×2. Vide exemplo abaixo:

– Suspensão do tipo “bogie” ou “single point suspension”: típica de suspensão traseira de caminhões 6×4 ou rebocados especiais e off-road. Vide exemplo abaixo:

- Suspensão Pneumática

A suspensão pneumática por definição sempre é em tandem, pois as bolsas (ou “foles”) são vasos comunicantes. Ou seja: estão interligadas e a equalização do peso ocorre pelo equilíbrio permanente da pressão entre os eixos.

Além de absorver melhor as irregularidades da via, protegendo o veículo e carga, a suspensão pneumática apresenta uma performance melhor contra tombamentos: o eixo atua como barra de torção (barra estabilizadora), dando maior estabilidade ao rebocado quando se inclina nas curvas.

Mas existe suspensão mecânica “não em tandem”?

Sim. Alguns caminhões 4×2 receberam depois de sair da fábrica um 3º eixo “mais simples” (leia-se “mais barato”) sem a balança, tornando-os 6×2, mas nesse caso legalmente habilitados para PBT de apenas 15 t nos dois eixos traseiros e não 17 t como nos veículos com suspensão em tandem. Vide exemplo abaixo:

Conhecer esses detalhes técnicos é fundamental para o projeto de sistemas de prevenção ao tombamento como o ANJO S-track.

Precisando de mais informações, ligue 11-999905265

Logispesa - Associação Brasileira de Logistica Pesada.